Thursday, May 18, 2006

Ensaio sobre a Cegueira


Mas afinal porque é que todos os adeptos da grande conspiração advogavam a compra de ouro e outros metais desde já há alguns anos e agora se revela uma teoria acertada? E porque é que os mesmos individuos só viam uma saída para o preço do petroleo que era a sua subida ao contrário dos analistas convencionais que sempre trataram as subidas de petroleo como conjunturais, relacionadas com focos de tensao localizada ou condiçoes climatéricas? E o dolár? Porque é que todos falávamos no colapso do dolar bem antes de alguém se atrever a dize-lo, e hoje não se fala de outra coisa? Quem tem apostado na conspiração tem ganho, ao menos isso, mas falta saber porquê. O que é que existe nessa teoria de modo tao claro que se possa vaticinar coisas tao malucas como estas e depois ter razao em todas elas. Ninguem previa nada disto há 5 anos atrás.
Como é impossivel resumir todo um trabalho de pesquisa que já leva muitos anos, posso começar por um assunto que por ser tao polémico pode atraír algumas atençoes menos suspeitas, e é essa a ideia.
É que a coisa já está a ser cozinhada há muitos, muitos anos. Poderia mesmo dizer há centenas de anos, mas vou aqui debruçar-me apenas sobre os ultimos 100.
Sempre a elite financeira usou as mesmas estratégias para conseguir o que queria, usavam a máxima da economia “compra barato, vende caro”. Mas só eles podiam ter acesso a esta máxima com conhecimento de causa pois só mesmo eles têm a capacidade de influenciar os preços e assim manipula-los a seu bel-prazer. Temos o George Soros que faz isso todos os dias com moedas estrangeiras naquilo que ele chamará de investimento cambial e que muitos chamam de terrorismo financeiro. Mas também já aqui vimos que as familias que comandam o mundo desde há 300 anos são as mesmas que o fazem hoje em dia. Logo aí já temos uma pista.
Depois vem a parte mais polémica que vou tentar resumir embora a realidade seja muito mais vasta que a que aqui apresento.
No fundo como foi permitido que o mundo desenvolvesse no ultimo seculo uma única potencia industrial, uma única potencia que sugava todos os recursos mundiais sem grande afronta por parte do resto do mundo? Meus amigos, só foi possivel aos EUA competirem sozinhos pelos produtos, matérias primas e outros recursos indispensáveis ao mundo moderno porque o resto do mundo era impedido de o fazer por causa de uma praga politica que mantinha na pobreza e logo, fora de jogo, mais de 2 terços do mundo. O Comunismo.
Não admira portanto que o comunismo tenha sido financiado por todos os grandes banqueiros do principio do seculo, sobretudo Jacob Schiff, em que existem mais do que muitos factos historicos que o confirmam. Façam uma pesquisa na internet e até conseguem ver os proprios documentos das transferencias de dinheiro. 25 milhoes de dolares em 1917 para Lenine e Trotsky prosseguirem o seu magnifico trabalho de ajudarem a criar monopolios capitalistas. Schiff disse mesmo que Trotsky era a pessoa por quem ansiava há muitos anos. J.P. Morgan depositou mais outros 20 milhoes num fundo de guerra em nome dos revolucionários, como é atestado em documentos do Congresso Norte Americano do dia 2 de Setembro de 1919 e que todos podem consultar no arquivo electronico do Senado Americano. Mais revelador ainda é um pequeno folheto do Ministério dos Negócios Estrangeiros Britânico que afirma ser a Revolução Russa uma obra organizada e financiada por banqueiros internacionais. Enfim, muito mais documentação já eu vi sobre o assunto. Tirem as conclusoes que acharem por bem. Mas continuando, foi depois preciso reabilitar a imagem do espirito soviético, do espirito do igualitarismo como uma ideologia de homens bons de modo à coisa se espalhar rapidamente pelo mundo. Rockefeller usou e abusou da sua empresa de marketing a Ivy Lee & T. J. Ross que foi incumbida da tarefa de reabilitar a imagem dos revolucionários. Para cumulo conseguiram tornar Estaline como “Homem do Ano” da revista Time em 1939, mesmo depois dos massacres de 1937/38. Tambem Hitler já tinha tido o mesmo tratamento (por razoes que tambem um dia quero explicar). Depois veio a revolução chinesa e assim por diante o que levou no final a mais de 2 terços do mundo estarem na pobreza total para poderem ser todos iguais entre si.
Rockefeller tinha mesmo um escritório em Moscovo durante toda a guerra fria. É bem conhecida a viagem de férias de Rockefeller a Moscovo (férias do maior magnata do mundo num país que vivia para o combater, imagine-se) que terminou com a destituição de Krutschev de presidente da URSS (o ditador foi deposto pelos seus subditos, afinal quem é que tem mais poder que o ditador absoluto?). Nos 4 dias que Rockefeller lá passou a URSS mudou de presidente sem grandes sobressaltos. Se calhar o magnata terá ido a Moscovo apenas despedir um funcionário.
Mas voltando à economia vemos então que as grandes familias conseguiram monopolizar o panorama industrial de todo o mundo, vendendo dinheiro virtual aos países de 3º mundo de modo a ficar com a exploração dos seus recursos quando estes obviamente não conseguiam pagar. E quanto menos recursos os países tinham mais tinham de alienar para sobreviver. Também é disto que vive a divida dos países africanos e o perdao de dividas a esses países deve-se a não haver mais locais de exploraçao que interesse usurpar.
Assim temos uma ideologia feita à medida de quem a fez. Uma ideologia martelada, sem base absolutamente nenhuma a nivel quer economico quer filosófico, apenas baseada na inveja humana e na repressão que fez o frete aos mesmos de sempre. Será por acaso que Marx e Engels eram maçons? E o facto de Lenine ser membro do Grande Oriente de França, inclusivamente viver num apartamento cedido por estes? O agora aberto Arquivo Soviético contém documentos que insistentemente ligam a resistência ao Tsar da Russia à maçonaria francesa. Estão disponiveis relatórios da policia politica do Tsar Nicolau II que o avisam de haver uma conspiração de lojas maçonicas para um golpe de estado em 1905.
Em 1925 o secretário geral da maçonaria russa afirma numa carta que os objectivos da maçonaria e dos bolsheviques são comuns, e menciona o simbolo sovietico como puramente maçonico, a estrela de cinco pontas, o martelo e a foice, todos elementos de importante ideologia maçonica. Não sou eu que o digo, foi o General Boris Astromov. Engraçado é que nessa mesma carta afirmava que as lojas maçonicas deveriam permanecer secretas, logo não deviam ser legalizadas, pois a maçonaria necessitava desse secretismo para se fortalecer. Ok, é lá com eles.
Mas claro que a historia não se fica por aqui. Desde a invasao de Cuba aos guerrilheiros sandinistas na Nicarágua, ao Vietname, etc, etc que as coincidencias não param.
Voltando agora aos nossos amigos capitalistas, estes aproveitaram a relativa pouca pressão sobre os preços das matérias primas que eram utilizadas apenas por uma percentagem menor da população mundial. Isto causou uma descida gradual dos preços e uma saída gradual do negócio por parte de quem lá não merecia estar. A preços de 40 dolares a onça do ouro não valia a pena manter os custos exorbitantes de uma exploração, assim era mais facil vender a licença aos nossos amigos magnatas por tuta e meia. O mesmo com os outros recursos. Vivemos tempos em que não valia a pena investir na industria por não ser lucrativa, bem pelo contrário. Só os grandes é que as mantiveram em seu poder pois só eles tinham capacidade de aguentar os seus custos. Esperando dar razão à máxima “quem ri por ultimo ri melhor”. E agora fartam-se de rir, às nossas custas.
Com o brutal aumento dos preços das matérias primas já vale a pena investir. O problema é que as grandes explorações já estao nas maos dos mesmos.
Com o frete que o comunismo fez a esta gente deram o golpe.
Fez e continua a fazer pois as ideias que se arreigaram na sociedade estão moldadas de modo a combater os mais fracos pensando que estão do lado deles. Nenhuma grande empresa alguma vez se queixará da falata de flexibilidade do mercado de trabalho. Quem se queixa disso são as pequenas e médias empresas. Os grandes têm trabalhadores a contratos de 15 dias, preferindo pagar mais à empresa de trabalho temporário do que ao trabalhador. Os empresários mais pequenos não têm acesso a estes estratagemas e por isso se queixam tanto. São obrigados a adoptar os seus funcionários como filhos para o resto da vida e assim aumentar a rigidez do mercado de trabalho. Nunca as ideias provenientes do comunismo vieram beliscar qualquer grande corporação. Mas fazem um excelente trabalho em acabar com o emprego de proximidade, aquele em que o empregado conhece directamente o patrão por este ser um pequeno ou médio empresário. O futuro é simples. Com o desaparecimento da classe média todos seremos caixas de supermercado ou operadores de call center, sem qualquer perspectiva de carreira, coisa que não acontecia até aqui. É essa a verdadeira precarização do mercado de trabalho.
Todos os apoiantes do comunismo que eu conheço afirmam que o comunismo nunca vingou por não ter as pessoas certas na sua liderança. As ditaduras que impediram mais de meio mundo de viver como os outros só aconteceram por causa dos seus lideres. Mas não terá sido antes porque nunca o comunismo foi feito para dar certo por ser impossivel? Que as formas de comunismo que vimos e vemos são as formas que era suposto terem pelos capitalistas? Gostava que me respondessem.
Agora, como interessa voltar a empobrecer as classes médias (a classe média é um fenomeno muito recente, sem mais de 150 anos) pois estas já têm liberdades a mais, conseguindo mesmo ter casas na praia, varios automoveis e o diabo a sete, deixam cair a arma do comunismo para inundar o mercado quer de consumidores quer de trabalhadores, conseguindo assim matar varios coelhos com uma só cajadada. Não esqueçamos que a China comunista só nos rivaliza na sua parte capitalista. Ou seja, só os que estão dentro do sistema do capitalismo na equação um país dois sistemas, é que nos fazem mossa. O problema é que são muitos à mesma.Por isso, e voltando para terminar às perguntas iniciais do texto, as respostas tornam-se obvias. É logico um colapso do dolar, é logica a subida dos preços, é lógico que vamos sofre bastante com isso porque a intençao é que voltemos a não ter nada para eles mais uma vez nos aparecerem como salvadores. Como diz um ditado chinês, um cao faminto segue-te para todo o lado.

20 Comments:

Blogger Macillum said...

Afirmo: o termo Teoria da Conspiração é utilizado pelos próprios conspiradores afim de desacreditar aqueles que sabem da verdade e a procuram revelar a todos os outros.

Dêem uma olhada nisto:

http://news.bbc.co.uk/2/hi/americas/4987716.stm

9:28 PM  
Anonymous Anonymous said...

Nem de propósito, encontrei isto por aí..Vale a pena ler.

http://www.arcticbeacon.com/15-May-2006.html

11:11 PM  
Blogger silvio said...

sobre o novo video 9/11 vejam o meu topico :-)
http://r-oculta.blogspot.com

eles andam "aflitos" para descredibilizar os temas.
Há uma semana, foi o reino Unido a dizer que os ovni eram fenómenos atmosféricos. Agora surge o Pentágono a revlear um video falso sobre o alegado boeing a despenhar-se contra o pentagono, eles andam mesmo aflitos a ver se ganham a confiança do povo

9:38 PM  
Anonymous Anonymous said...

e o email?
;)

3:26 AM  
Blogger Macillum said...

O Cartão Visa e a Maçonaria

https://appcenter.usbank.com/customizedPricing/home.do?locationId=9525

2:50 PM  
Blogger Bilder said...

Sim caro anonymous,vale a pena ler esse link e muito mais sobre os senhores do mundo no meu blog.

1:04 PM  
Blogger Bilder said...

Parabens por este post,eu não conseguiria melhor expor os meios usados pelos poderes na sombra para atingir os fins,ou seja,a tal Novus Ordos Seclorum!

8:33 PM  
Blogger Zaratustra said...

O LEAP vem mais uma vez confirmar as suas previsões quanto ao surgimento de uma crise sistemica global.

"Junho 2006 – Entrada na fase 2 da crise sistémica Global:
a fase de aceleração
Sete consequências concretas para os actores e decisores económicos e políticos
O LEAP/E2020 anunciou, em 15 de Fevereiro de 2006, o despoletar de uma crise sistémica global para o fim do mês de Março seguinte. Hoje, a meio de Maio de 2006, o LEAP/2020 pode anunciar que esta fase inicial da crise sistémica global está quase terminada e que, a partir do início de Junho de 2006, a crise vai entrar na sua fase de aceleração. Antes de detalhar as suas principais características (ver o GlobalEurope Anticipation Bulletin nº5), o LEAP/2020 julga no entanto útil explicitar o modo de desenvolvimento de uma tal crise sistémica.

Uma crise sistémica global desenvolve-se segundo um processo complexo de que podemos destacar quatro fases que se podem interpenetrar:

- uma primeira fase, dita de «despoletamento», que subitamente vê convergirem e entrarem em interacção toda uma série de factores, até agora desligados, e que é essencialmente perceptível pelos observadores atentos e pelos actores principais.

- uma segunda fase, dita de «aceleração», que se caracteriza por uma brutal tomada de consciência por parte da grande maioria dos actores e observadores de que a crise se instalou em definitivo, na medida em que rapidamente começa a afectar um número cada vez maior de componentes do sistema.

- uma terceira fase, dita de «impacto», que é constituída pela transformação radical do próprio sistema em si (implosão e/ou explosão) sob o efeito de factores acumulados, e que afecta simultaneamente a sua integridade.

- e por fim, uma quarta fase, dita de «decantação» que vê surgirem as características do novo sistema saído da crise.

No caso da actual crise sistémica global, o LEAP/2020 considera a partir de agora que a fase inicial, de despoletamento, está a terminar e que ao longo de Junho de 2006, o mundo vai entrar na fase de aceleração da crise.
Assim, em menos de três meses, todo um conjunto de «certezas» sobre o futuro foram postas em causa (dominação «inelutável» do Dólar, «retorno» ao petróleo barato, solução pacífica do conflito Irão/Usa, durabilidade da «bolha imobiliária» americana, «domínio» dos Estados Unidos sobre os outros actores mundiais chave que são a China e a Rússia,…) e um grande número de indicadores apontam a partir de agora para direcções convergentes de desequilíbrio do sistema actual (subida vertiginosa do preço do ouro e dos metais preciosos, aumento das pressões inflacionistas, novo aumento das taxas de juro, aproximação do Euro aos 1,30 US$, transformação em Euros de um crescente montante de reservas de bancos centrais, subida das moedas asiáticas, crises bolsistas e monetárias em muitas regiões do mundo, multiplicação, desde há cerca de um mês, de artigos na grande imprensa mundial e nacional mencionando os termos «krach, crise, colapso, risco de conflito,…»).

Esta fase de despoletamento desempenha de facto, de acordo com a equipe do LEAP/2020, o papel de período de «aprendizagem» para os actores do sistema. Alguns anteciparam correctamente as evoluções e apostaram na ruptura com as tendências que supostamente dominavam o sistema. E se, há apenas algumas semanas, pareciam marginais e inconscientes aos olhos da maioria dos actores, a partir de agora aparecem como aqueles que souberam «ganhar» enquanto que a maioria começa a constatar que «perdeu» ao seguir as tendências «normais» do sistema. Esta «aprendizagem» tem consequências cumulativas e reforça consideravelmente de seguida, e muito rapidamente, as tendências de ruptura em curso. É este fenómeno, nomeadamente, que induz a passagem da fase de despoletamento à de aceleração da crise. Por outro lado, reforça igualmente as convicções dos actores estratégicos que se envolveram em lógicas de ruptura (ou que anteciparam as rupturas) com o sistema instalado; o que enfraquece de forma duradoura as capacidades de regulação do sistema, uma vez que ele faz de ora avante face a uma crise de confiança em vias de generalização. Ora, no sistema global herdado do pós Segunda Guerra Mundial e transformado pelo fim da Cortina de Ferro, tanto no domínio financeiro, como económico, monetário ou estratégico, o essencial repousa na confiança acordada entre todos num actor central (os Estados Unidos) e nos vários componentes da sua força. A passagem da fase 1 à fase 2 marca o colapso desta confiança nos vários domínios.

O LEAP/2020 considera portanto que é no decurso do mês de Junho de 2006 que estas perdas sectoriais de confiança, em vias de generalização em cada sector, deverão convergir para produzirem a aceleração do processo de crise. Esta aceleração que deverá estender-se por um período de 3 a 6 meses, terá, nomeadamente, sete consequências concretas essenciais:

1. O colapso acelerado do dólar
2. Uma crise sócio política interna nos EUA
3. Um conflito militar Irão/EUA/Israel
4. Um aumento da inflação mundial
5. A ruptura do processo de globalização comercial e económica
6. A emergência acelerada de novos «blocos» regionais/continentais
7. Um reequilíbrio do valor relativo (comparativo?) dos activos mundiais.

A passagem à fase 3 (dita de «impacto») do processo de crise sistémica global dar-se-á quando pelo menos quatro dos factores precipitados forem reconhecidos. Paralelamente, no decurso desta fase de aceleração, será já possível discernir certas tendências que moldarão o futuro sistema global, e portanto, começar a adoptar as decisões e as políticas que preparam o futuro da pós-crise."

Interessante comparar estas previsões com as da OCDE que prevê o aumento do ritmo de crescimento da economia mundial, embora estejam um pouco preocupados com o aumento do preço do petroleo, vamos ver quem tem razão...

10:39 PM  
Anonymous Anonymous said...

O Schiff era sogro do Trotsky e esses dois senhores, para além dos laços familiares, também estavam unidos pela sua religião.

10:13 PM  
Anonymous DPF said...

Bilderberg to Meet in Canada

By James P. Tucker Jr.

The secretive group known as Bilderberg will hold its annual secret meeting at the posh Brook Street Resort a few miles from Ottawa, Canada, June 8-11.

The location and part of the agenda was disclosed to American Free Press by a source inside Bilderberg’s inner circle.

High on the Bilderberg’s secret agenda this year are oil prices and the political upheaval in Latin America. When meeting last year in Rottach-Egern, Germany, Bilderberg called for dramatic increases in the price of oil. Oil prices started climbing immediately from $40 a barrel to $70.

Whether Bilderberg will call for still higher prices is unclear, but Henry Kissinger and others had gleefully anticipated ultimate prices at $150 a barrel a year ago. Bilderberg is certainly concerned about supply, which is related to the “Latin American problem,” as one insider said.

Approximately 120 international leaders in politics and finance will also discuss the wars in Iraq and Afghanistan, which has caused a rare breach between American Bilderbergers and their European counterparts since the United States Iraq invasion in 2003. Whether the United States should invade Iran is also high on the agenda.

Bilderberg is especially concerned about Venezuela, where as part of a plan to increase revenues from its petroleum industry President Hugo Chavez said May 7 he would impose a new tax on companies that extract oil from his country. Big Oil is represented at Bilderberg by Jeroen van der Veer of The Netherlands, chairman of the Royal Dutch/Shell Group and Franco Bernabe of Italy, vice chairman of Rothschild Europe, among others. “We are going to create a new oil tax, called the tax on extraction,”
Chavez said. “The companies that are pumping oil in Venezuela are making a lot of money.”

Chavez accused foreign oil companies of exploiting his country’s vast petroleum reserves without paying sufficient taxes. Venezuela is the world’s fifth-largest oil exporter but has troubled oil barons by sending cheap petroleum to needy American families and subsidizing domestic use so local citizens pay 12 cents a gallon.

Venezuela has voided oil-pumping contracts with private companies at 32 fields and replaced them with a mixed-company model that gave Venezuela’s state-owned Petroleos de Venezuela SA a minimum 60 percent stake. Chavez has also sharply raised royalties and taxes, and reduced potential drilling acreage by almost two-thirds. He is also resisting expansion of NAFTA throughout the hemisphere, a prime Bilderberg goal.

Chavez’s outspoken criticisms of the United States make it unlikely that American Bilderbergers can help smooth over the supply problem. However, banker David Rockefeller’s family has always had a heavy interest in oil and other investments in South America.

President Bush will have a top White House aide representing him at Bilderberg, and high officials of the state, defense and treasury departments will attend. Heads of state and other high officials in government and banking will attend from Europe and Canada.

Bilderberg’s agenda also includes the turmoil in the Middle East, nuclear proliferation, with an emphasis on Iran, North Korea and Pakistan, and global warming.

The Bilderberg group takes it name from the hotel in Holland where the group met in 1954, during the earliest period of its inception. Bilderbergers meet regularly, presumably on a once-a-year basis, at various locations around the world, always in extreme secrecy, often at resorts controlled by either the Rockefeller or Rothschild families. The Rothschild family is the leading European force within the Bilderberg Group, sharing its power with the American-based Rockefeller empire.

Bilderberg maintains an extremely low profile and seldom, if ever, publishes reports or studies for the public, at least, under its own official aegis. Participants denied the groups very existence for decades until it was forced into the open by the glare of media publicity, generated largely by the now defunct Spotlight newspaper.

(Issue #22, May 29, 2006)

11:27 PM  
Anonymous Anonymous said...

Email...

11:58 PM  
Blogger Merovech said...

saberaverdade@yahoo.com

1:11 AM  
Blogger Macillum said...

Simplesmente hilariante... esta vocês têm de vêr...

http://www.malgusto.com/videosonline/playerhome.php?vonline=2006bush_frontera_ilegales

1:54 PM  
Blogger Zaratustra said...

Bilderberg from 1982 onwards (Portugal)

Balsemao, Francisco Pinto, Prof. Comms., New Univ. Lisbon; Chair Impressa;
Amaral, Luis, Min Energy, Portugal
Amaral, Joaquim Freitas do Amaral - Member of Parliament
Barreto, Antonio, Prof of Sociology, Univ of Lisbon, former Agriculture Minister

Barrosso, Jose Manuel Durao, Minister for Foreign Affairs
Borges, Antonio Dean. INSEAD.
Brederode Santos, Nuno, Member of the Socialist Party, Columnist Expresso
Carneiro, Roberto, Former Education Minister; consultant to World Bank

Carrilho, Maria, Prof of Sociology

Constancio, Vitor MR, Leadr, Socialist Party; fmr Govr. Banco de Portugal; ex-Sec. State

Coutinho, Vasco Pereira - Chairman, IPC Holding
Cravinho, João Cardona G. - Minister for Infrastructure, Planning and Territorial Admin
Cutilero, Jose, Sec Gen, Western European Union

Galvao Teles, Jose M. Lawyer, Member of the Social Party, Memb. Council of State.
Gouveia, Teresa Patrício; Member of Parliament (PSD)
Grilo, Eduardo C. Marçal - Miniter of Education

Horta e Costa, Miguel - Vice-President, Portugal Telecom
Marante, Margarida, TV Journalist
Mello, Vasco de - Vice Chairman and CEO, Grupo José de Mello x
Monjardino, Carlos APV, President of the Fundacao Oriente

Nabo, Francisco Murteira - President and CEO, Portugal Telecom
Oliveira, Fernando Faria de, Minister of Trade and Tourism
Pimenta, Carlos, MEP; ex-Secretary of State for Environment

Pires, Francisco Lucas, MEP; Former Leader of the Christian Democrats

Salgado, Ricardo Espirito Santo, President and CEO, Grupo Espirito Santo.
Sampaio, Jorge - President of Portugal
Santos, Nicolau - Editor-in-Chief, Expresso
Silva, Artur Santos - President and CEO, BPI Group
Sousa, Marcelo Rebelo de - Leader of the PSD Party
Veiga, Miguel, Lawyer

Vitorino, Antonio, Deputy Prime Minister and Minister of Defence

11:24 PM  
Blogger Zaratustra said...

Uma listagem dos nossos Bilderberg,
Que frequentaram as secretas reuniões desde 1982.
Está em http://www.bilderberg.org/bilder.htm#advisory

11:28 PM  
Blogger silvio said...

recebi por email, de alguns amigos,
BILDERBERGS vão encontrar-se dia 11 de Junho , no Canadá.

3:17 AM  
Blogger Macillum said...

Correcção, Sílvio: entre 8 e 11 de Junho

1:00 PM  
Blogger Zaratustra said...

Um excerto da analise feita pelo Gold Anti-Trust Action à queda dos preços dos metais preciosos nas ultimas semanas, este é o link
http://www.gata.org/congress.pdf

Há uma tradução em Português no
http://oam.risco.pt/blogger.html

*Why would anyone want to suppress the price of gold?
1) Suppressing the price of gold has made it a cheap source of capital for New York bullion banks, which borrow it for as little as 1 percent of its value per year. Gold is borrowed from central banks and sold, and the proceeds are invested in the financial markets in securities that have much greater rates of return. As long as the price of gold remains low, this "gold carry trade" is a financial bonanza to a privileged few at the expense of the many, including the gold-producing countries, most of which are poor. If the price of gold was allowed to rise, the effective interest rate on gold loans would become prohibitive.
2) Suppressing the price of gold gives a false impression of the U.S. dollar's strength as an international reserve asset and a false reading of inflation in the United States.
*Too much gold is being consumed at too cheap a price. Massive amounts of derivatives are being used to suppress the gold price. If this situation is not corrected soon, there will be a gold derivative credit and default crisis of epic proportions that will threaten the solvency of the largest international banks and the world standing of the dollar.
The Gold Anti-Trust Action Committee requests that a full and complete investigation be launched into this matter as soon as possible. The longer the gold price is artificially held down, the bigger the eventual banking crisis.”

"Eles andem na i"

2:02 PM  
Blogger Rouxinol said...

O teu texto tem uns erros, e tenho umas questões a fazer-te:

"Meus amigos, só foi possivel aos EUA competirem sozinhos pelos produtos, matérias primas e outros

recursos indispensáveis ao mundo moderno porque o resto do mundo era impedido de o fazer por causa de

uma praga politica que mantinha na pobreza e logo, fora de jogo, mais de 2 terços do mundo. O

Comunismo."

Será que os EUA competiam mesmo sozinhos durante a guerra fria ??
Pobreza é incapacidade de emancipação, seja ela cultural, industrial ou ciêntífica. Se o objectivo

planificado era manter a URSS como um inconcorrente tens que me explicar porque é que em 1897 a taxa de

alfabetização na Russia era de 28.4% e em 1939 é de 87.4%. Em 1927 há, 7.9 milhões de estudantes em 118

558 escolas, em 1933 passam para 9.7 milhões de estudantes em 166 275 escolas; assim como mais 900

departamentos especializados e 566 instituições. O número de medicos formados aumenta e são lançadas

campanhas contra a malária, o tifo e a cólera. A taxa mortalidade infantil desce de forma significativa.
Durante o primeiro plano quinquenal foram construidas 1500 fábricas, presume-se que tanto a

productividade agrícola como industrial tenha aumentado 200%. A Produção de ferro subiu de 3.3 para 10

millhões de toneladas por ano, a extracção de carvão subiu de 35.4 para 75 milhões de toneladas por ano

( no segundo plano quinquenal ja era de 128 toneladas e no terceiro passou para 150 ), a extracção de

minério de ferro subiu de 5.7 para 19 milhões de toneladas por ano.
Porra!! mas afinal o objectivo não era manter os russos não pobreza ?!?!?!

Em relação a Jacob Schiff, mostra-me os documentos em que ele financia Lenine e os Bolcheviques.

O que foram os massacres de 1937/38??

" Uma ideologia martelada, sem base absolutamente nenhuma a nivel quer economico quer filosófico"
Já alguma vez leste um livro chamado "O capital" ??

"Será por acaso que Marx e Engels eram maçons?"
Afirmas isso com base em...

"O agora aberto Arquivo Soviético contém documentos que insistentemente ligam a resistência ao Tsar da

Russia à maçonaria francesa"
A resistência ligada às lojas maçónicas eram os mencheviques.

A estrela e a foice e o martelo são símbolos maçónicos ?? tens que me explicar isso que eu não sei. Eu

ia jurar que a foice e o martelo ( mais a espada no símbolo antigo ) representavam os soviets (

soldados, camponeses e operários).

"Mas não terá sido antes porque nunca o comunismo foi feito para dar certo por ser impossivel?"
Existe uma coisa chamada socialismo...já deves ter ouvido falar.
Quando hoje falamos em socialismo, falamos em investimento estatal, distribuição egualitária de

serviços básicos e oportunidades, numa lógica reformista de uma economia mista. O sucesso de países como

a Noruega e a Suécia explica-se por aí. E se é nesse sistema que assentam os partidos comunistas, é porque o comunismo não é mais que uma directriz e não um fim em si.

1:28 AM  
Blogger Merovech said...

Afinal acaba por me dar razao. Apenas falo da pobreza que os impediu de chegar ao mercado mundial de materias primas e essas nunca foram em quantidades visiveis para o povo russo. Nao me responda com pobreza intelectual, com professores ou numero de jardineiros por m2 pois sabe muito bem que a educaçao apenas servia para ensinar as letras PC de partido comunista. Sim, ja li o Capital 2 vezes e daí a minha afirmaçao de nao ter ponta por onde se lhe pegue, mas enfim, cada cabeça sua sentença. Quanto aos documentos que pede que lhe mostre, diga-me apenas uma coisa, se eu lhos mostrar vai fazer alguma diferença? Ou vai fingir que é mais uma maquinaçao anti-comuinista? Nao se esqueça que a Historia é escrita pelos vencedores e infelizmente o Comunismo saiu vencedor da II Guerra, daí que tenha a sua cabeça formatada para pensar assim. De qualquer modo, e para nao pensarem que nao tenho os documentos vou apenas aqui deixar onde os podem encontrar. Tenho copias dos originais da maioria.

DOCUMENT NO. 1 Cable from Ambassador Francis in Petrograd to U.S. State
Department and related letter from Secretary of State Robert Lansing to President Woodrow
Wilson (March 17, 1917)
DOCUMENT NO. 2 British Foreign Office document (October 1917) claiming Kerensky
was in the pay of the German government and aiding the Bolsheviks
DOCUMENT NO. 3 Jacob Schiff of Kuhn, Loeb & Company and his position on the
Kerensky and Bolshevik regimes (November 1918)
DOCUMENT NO. 4 Memorandum from William Boyce Thompson, director of the Federal
Reserve Bank of New York, to the British prime minister David Lloyd George (December
1917)
DOCUMENT NO. 5 Letter from Felix Frankfurter to Soviet agent Santeri Nuorteva (May
9, 1918)
DOCUMENT NO. 6 Personnel of the Soviet Bureau, New York, 1920; list from the New
York State Lusk Committee files
DOCUMENT NO. 7 Letter from National City Bank to the U.S. Treasury referring to
Ludwig Martens and Dr. Julius Hammer (April 15, 1919)
DOCUMENT NO. 8 Letter from Soviet agent William (Bill) Bobroff to Kenneth Durant
(August 3, 1920)
DOCUMENT NO. 9 Memo referring to a member of the J. P. Morgan firm and the British
director of propaganda Lord Northcliffe (April 13, 1918)
DOCUMENT NO. 10 State Department Memo (May 29, 1922) regarding General Electric
Co.

5:54 PM  

Post a Comment

<< Home

Site 
Meter